Aquele dos 27

Vinte e seis anos vieram, e se foram. Alguns trouxeram incontáveis alegrias, outros deixaram profundas tristezas. Uns foram ousados, aventureiros… Esse ou aquele preferiram a solitude e o silêncio. Sucessivamente, chegaram trazendo esperanças e partiram deixando lições. Todos eles contribuíram para a construção de quem eu sou no presente, e o que penso que desejo para o futuro.

Incontáveis pessoas vieram, e se foram. Algumas jamais voltarão. Seja por força do destino ou de seus atos, perderam-se para sempre entre as memórias de anos passados. Entre elas, as maiores saudades que eu poderia sentir e o maior amor que já me foi ofertado. Poucas ficaram e fizeram morada. São elas que me fazem sorrir e me enxugam as lágrimas. É a bondade, a generosidade e a lealdade delas que me dá forças para seguir a jornada.

Sem grandes promessas e carregado de dúvidas, o vigésimo sétimo ano entra em cena. Incapaz de prever o que esse ano deixará de legado, desejo que seja leve e que traga mais alegrias do que tristezas. Que tenha mais chegadas do que partidas. Mais abraços do que espinhos. Mais gargalhadas do que lágrimas. Mais amor, mais alegria e muito mais vida.

Blogueira, poetisa e fotógrafa amadora, a Beca ganha a vida como Gerente de Conteúdo em uma agência de marketing 360, mas a sua paixão mesmo é a poesia, a fotografia e a música.

Deixe uma resposta